21 set O papel do endocrinologista

Dra. Sílvia C. A. L. Souza (CRM 82333) é endocrinologista da Clínica Medicina da Mulher.

De que maneira o endocrinologista pode ajudar as mulheres a terem uma vida mais saudável?

O endocrinologista é um especialista que pesquisa alterações hormonais e metabólicas que têm aumentado muito nos dias de hoje, como disfunções tireoidianas, diabetes, obesidade, síndrome metabólica e alterações no colesterol. A identificação precoce e o tratamento adequado de qualquer disfunção contribuem para evitar o aparecimento de outras doenças ou complicações do quadro inicial. Além disso, muitas dessas alterações e disfunções podem ser prevenidas por meio da adoção de um estilo de vida mais saudável e melhora alimentar. O endocrinologista, em conjunto com outros profissionais como nutricionista e preparador físico, colabora na orientação das modificações que podem ser realizadas no dia a dia para a prevenção de doenças, especialmente nos casos em que houver uma história familiar de obesidade, diabetes, aumento de colesterol e/ou triglicérides ou antecedentes de doenças cardíacas.

Quais as principais causas da obesidade?

A obesidade é uma doença cuja incidência vem aumentando ao longo das últimas décadas de forma preocupante. A maioria dos casos é decorrente de uma alimentação inadequada, com maior quantidade de calorias e um predomínio de alimentos ricos em gorduras e carboidratos simples. Esses últimos favorecem uma maior liberação de insulina pelo pâncreas, o que aumenta a fome e a tendência ao acúmulo de gordura.

Associado ao padrão alimentar ruim, as pessoas têm reduzido cada vez mais a atividade física, e não apenas exercícios programados, realizados em academias, por exemplo, mas também as atividades cotidianas como caminhar e andar de bicicleta. De forma geral, as pessoas estão muito mais sedentárias. Os dois fatores associados contribuem para aumentar o número de obesos, inclusive entre as crianças e adolescentes. As alterações endócrinas e outras doenças que podem causar obesidade são mais raras. De qualquer forma, sempre fazemos um exame clínico e exames adicionais para verificar se há alguma alteração hormonal que possa justificar o aumento de peso.

Qual sua opinião sobre os inibidores de apetite?

Os medicamentos utilizados para emagrecer são aliados que podem ser utilizados nas situações em que o paciente não consegue a redução de peso apenas com mudanças comportamentais, como dieta e atividade física. Eu sou a favor do uso de medicamentos, desde que bem indicados e depois de uma avaliação clínica cuidadosa. O médico deve ser cauteloso para avaliar possíveis contraindicações aos medicamentos e deve sempre informar ao paciente os efeitos colaterais e riscos do seu uso. Atualmente, com a retirada de alguns medicamentos da prática clínica, temos poucas opções terapêuticas para ajudar os pacientes obesos. Acho uma pena porque, em muitos casos, os riscos da obesidade são muito maiores do que o uso criterioso dessa medicação.

Quais sintomas podem indicar presença de diabetes?

Com bastante frequência, o diabetes pode ser uma doença absolutamente silenciosa e não apresentar nenhum sintoma clínico. Por esse motivo, é muito importante fazer frequentemente exames de sangue com dosagem de glicemia de jejum, em especial nas pessoas com aumento de peso e naquelas que apresentam história familiar de diabetes.

Os principais sintomas que podem indicar a presença de diabetes são:

  • Aumento da quantidade de urina; em muitos casos, a pessoa que está com diabetes acorda várias vezes à noite para urinar;
  • Sede intensa;
  • Aumento do apetite;
  • Visão borrada ou turva.

Como identificar e tratar uma disfunção hormonal?

Há várias disfunções hormonais diferentes. Cada uma delas é identificada por testes específicos e exames complementares que podem ser necessários dependendo de cada caso. Os tratamentos também são específicos de acordo com o problema identificado. O problema hormonal mais frequente é o hipotireoidismo, que é uma alteração no funcionamento da glândula tireoide, em que ela passa a produzir menor quantidade de hormônio, influenciando o funcionamento do metabolismo e de vários outros órgãos. A disfunção da tireoide é identificada por exames de sangue, como o T4 livre e TSH. Além disso, para se identificar a causa específica, é comum solicitar outros exames, como dosagem dos anticorpos antitireoide e uma ultrassonografia da tireoide.