21 set Gestação e a Pele

Principais alterações da pele e os cuidados básicos durante a gestação.

A gravidez é um período de intensas modificações para a mulher. A grávida apresenta alterações hormonais, metabólicas, vasculares e imunológicas que ocorrem desde o início da gestação, provocando algumas mudanças visíveis na sua pele.

A maioria das dermatoses pode ser controlada e até mesmo tratada durante a gestação. Cuidados preventivos, prescritos por um dermatologista, devem ser adotados para evitar que as manifestações cutâneas sejam persistentes ou mesmo definitivas. Existem substâncias seguras que podem ser indicadas nessa fase da vida, proporcionando alguns cuidados para a pele da mulher sem ocasionar danos para ela ou para o bebê.

A maioria das mudanças no corpo feminino decorre de alterações hormonais e/ou mecânicas. As primeiras caracterizam-se por grandes elevações nos níveis de estrógeno, progesterona, prolactina e de uma variedade de hormônios e mediadores que alteram completamente as funções do organismo.

As principais alterações da pele nesse período são:

Melasma

Melasma são as manchas escuras que surgem na face da maioria das gestantes (75 a 90% delas), sendo motivo de muita preocupação. Ocorrem principalmente nas regiões malares (maçãs do rosto), na testa, nariz, lábio superior e têmporas. Geralmente aparecem no primeiro trimestre, acentuam-se no final da gestação e tendem a persistir após o parto. A exposição solar é um importante fator de piora do melasma. O tratamento consiste em usar protetor solar e evitar exposição solar prolongada. O uso de substâncias despigmentantes (clareadoras) só está indicado após o final da amamentação.

O melasma costuma desaparecer completamente no prazo de até um ano após o parto, mas até 30% das pacientes evoluem com alguma sequela da mancha. O quadro é mais persistente em mulheres que fizeram uso de anticoncepcionais orais.

Nevos Melanocíticos (“Pintas”)

Na gravidez, os nevos melanocíticos (pintas) podem se tornar mais escuros e maiores, e novos nevos podem aparecer. Devem ser bem avaliados pelo dermatologista, uma vez que a influência hormonal no surgimento do melanoma (câncer de pele mais agressivo) ainda está sendo debatida.

Estrias

O estiramento da pele – associado a fatores genéticos e hormonais –, favorece o desenvolvimento de estrias, que surgem em 70 a 90% das gestantes, especialmente a partir da 25ª semana de gravidez. São mais frequentes no abdome, nos quadris, nádegas e mamas. Tendem a permanecer após o parto e o seu tratamento é difícil. O controle do peso e a utilização de hidratantes especiais devem ser sistemáticos para minimizar esta manifestação.

Acne

O efeito da gravidez sobre a acne (espinhas) é imprevisível. Algumas mulheres apresentam piora do quadro clínico enquanto outras evoluem com regressão das lesões acneiformes.

Existem tratamentos seguros e eficazes para a acne durante a gravidez e a opção mais apropriada para cada paciente requer orientação do dermatologista.

A utilização de sabonetes suaves é importante para manter a pele limpa, sem ressecá-la. O protetor solar deve ser adequado para a pele oleosa. O tratamento medicamentoso requer atenção especial, pois muitas drogas (mesmo as de uso tópico) são contraindicadas no período da gestação.

Pelos e unhas

O crescimento mais intenso dos cabelos é comum durante a gravidez, devido ao prologamento da fase de crescimento dos mesmos (fase anágena), especialmente no terceiro trimestre. No entanto, após o parto ocorre diminuição brusca dos níveis hormonais e observa-se com frequência o aumento da queda dos cabelos (3-5 meses após o parto), denominado de eflúvio telógeno. Não há necessidade de tratamento específico já que os fios voltarão a crescer.

O hirsutismo (aumento de pelos no corpo) também é frequente nas gestantes, particularmente naquelas que já possuíam abundante pilificação antes da gestação. Seu achado é precoce, sendo mais pronunciado na face e nos braços. A causa do aumento dos pelos é provavelmente hormonal. Geralmente regride em até seis meses após o parto e não necessita de terapia específica.

As unhas também podem sofrer alterações, tornando-se mais frágeis e quebradiças.

Mamas

A aplicação de cremes hidratantes com suaves massagens após o banho é de grande importância na prevenção das estrias. Esses produtos não devem ser utilizados nas aréolas e mamilos, para que a pele nestas regiões não fique excessivamente úmida e fina, prejudicando a amamentação.

Alterações vasculares

Os distúrbios vasculares surgem devido aos elevados níveis de hormônios estrogênicos na circulação materna, formando telangiectasias (vasos pequenos e finos conhecidos como aranhas vasculares) na face e no colo e também o eritema palmar (vermelhidão nas palmas das mãos), que desaparecem espontaneamente entre 6 a 7 semanas após o parto.

As varicosidades acometem mais de 40% das gestantes e são mais comuns nas pernas e na região anal (hemorróidas). Surgem a partir do terceiro mês de gestação e tendem a regredir no pós-parto. A profilaxia inclui uso de meias elásticas, repouso com elevação dos membros inferiores e o controle do peso.

Alguns cuidados básicos recomendados durante a gestação:

  • Não utilizar produtos cosméticos ou medicamentos sem a autorização médica;
  • Cuidado com produtos muito coloridos ou perfumados, pois a pele da gestante é mais sensível a reações alérgicas;
  • Utilizar protetor solar diariamente;
  • Evitar exposição solar prolongada;
  • Manter a pele do corpo hidratada;
  • Controlar o peso;
  • Ingerir bastante água;
  • Praticar atividade física supervisionada.

Procedimentos que devem ser evitados durante a gestação:

  • Tratamentos que utilizam laser;
  • Peelings químicos utilizando ácidos;
  • Toxina botulínica;
  • Prenchedores de ácido hialurônico;
  • Tinturas para cabelo agressivas, escovas progressivas e definitivas.