21 set Estresse e Doenças na Mulher

O perfil das doenças em ginecologia mudou significativamente nos últimos anos. Para tal, o próprio perfil atual da mulher interferiu diretamente neste fator. Hoje, fatos como a vida urbana, congestionamentos, poluição, problemas de segurança contribuem sensivelmente para esta questão. Além disto, a participação da mulher no mercado de trabalho, assumindo posições muitas vezes à frente do homem, representa um fator relevante.

O estresse instabiliza o organismo do ser humano de duas formas principais: alterando o sistema imunológico e interferindo na produção hormonal. Na mulher, estes fatos têm capital importância, principalmente no período que vai da menarca, ou primeira menstruação, até a menopausa, que corresponde à última menstruação.

Assim, problemas relacionados ao sistema imune, tais como episódios de corrimentos vaginais por cândida, doenças benignas como endometriose, problemas como a esterilidade ou até algumas doenças malignas como o câncer da mama, podem ter neste fator um facilitador para seu desenvolvimento. Por outro lado, sabe-se que em picos de estresse, a adrenalina estimula o eixo hormonal que vai de uma região do cérebro chamada hipotálamo até o ovário, proporcionando a produção irregular de hormônios como o estrogênio, o que também interfere com situações “estrogênio dependentes”, determinando desde sangramentos genitais, cólicas menstruais e até permitindo que doenças que dependam deste hormônio possam se desenvolver.

Estas questões merecem atenção especial fundamentalmente para que haja conscientização da necessidade da criação de “válvulas de escape”, principalmente em fases mais agitadas da vida.

Para tal, o exercício físico regrado tem papel importante, tanto por sua ação benéfica da imunidade como pelo seu benefício no equilíbrio hormonal.

Cuide-se!

Dr. Mauricio Abrão
CRM 52842