Fisioterapia

Atuação da fisioterapia na área de ginecologia

 

A Fisioterapia é uma ciência da saúde que atua, principalmente, na prevenção, estudo e tratamento das disfunções do movimento em órgãos ou sistemas do corpo humano. No campo da ginecologia, o fisioterapeuta pode auxiliar em vários aspectos e em diferentes casos, como descrito a seguir:

 

Endometriose: muitas vezes as dores decorrentes da doença geram deficiências posturais e pontos de tensão muscular (pontos gatilho) nas musculaturas adjacentes como glúteos, abdômen, músculos da região lombar e do assoalho pélvico. O objetivo da fisioterapia é relaxar esses grupos musculares, desativar os pontos gatilho, auxiliando o alívio da dor. Isto pode ser obtido por meio de exercícios, liberação miofascial, eletroterapia e biofeedback eletromiográfico, que capta informações da atividade muscular e transforma essas informações em imagem e som. Isto facilita o controle da paciente sobre sua atividade muscular, podendo auxiliar na redução de uma atividade excessiva.

 

Incontinência urinária: várias técnicas podem ser utilizadas para a prevenção ou melhora dos sintomas como exercícios para a musculatura do assoalho pélvico, cones vaginais que oferecem um treino com aumento de carga progressiva, biofeedback, que neste caso auxilia a identificação e utilização correta desta musculatura, eletroterapia e reeducação funcional da bexiga.

 

Pré/pós-parto: várias alterações ocorrem no corpo da mulher durante a gestação e no pós-parto, como no sistema cardiovascular, respiratório e músculo-esquelético. Algumas vezes essas alterações vêm acompanhadas de desconforto ou dores. A fisioterapia visa prevenir ou amenizar os desconfortos por meio de orientação da postura adequada para as atividades diárias; drenagem linfática e exercícios circulatórios para prevenção ou melhora de edema; exercícios para melhorar a percepção e controle da musculatura do assoalho pélvico, evitando assim a incontinência urinaria; exercícios para músculos da região lombar e abdominal para a manutenção da função; e, quando necessário, terapia manual para alívio de dor. O fisioterapeuta também está apto a trabalhar com a gestante de alto risco, com objetivo de prevenir o desconforto causado pelo repouso prolongado por meio de orientações quanto ao posicionamento, exercícios circulatórios, massagem, proporcionando assim uma melhor qualidade de vida neste período.

 

Outras situações que a fisioterapia também pode atuar são: pós-operatório de cirurgias ginecológicas e/ou oncológicas, linfedema em pacientes mastectomizadas, incontinência fecal, disfunções sexuais entre outras.

Saiba Mais