21 set Endometriose na Adolescência

Endometriose é uma das doenças mais frequentes nas mulheres em idade reprodutiva. Pode ser responsável por inúmeros sintomas que afetam a qualidade de vida feminina, dentre eles cólicas menstruais severas, dores pélvicas de grande intensidade e infertilidade.

Muitas teorias foram aventadas para justificar o aparecimento desta doença. Em uma delas, células endometriais, normalmente exteriorizadas pela menstruação, refluiriam através das tubas uterinas para a cavidade pélvica e alterações imunológicas e/ou genéticas individuais criariam um ambiente predisposto ao desenvolvimento da endometriose. Em outra, células embrionárias retomam a capacidade de diferenciação e dão origem a células com características semelhantes ao endométrio em locais fora do útero.

Independente da teoria proposta, o aparecimento dos sintomas sucede ao funcionamento do eixo hipotálamo-hipofisio-ovariano, responsável pelo ciclo menstrual nas mulheres, conferindo à doença um caráter predominantemente hormonal.

Entretanto, sabe-se que há um atraso médio de 12,5 anos entre o início dos sintomas e o correto diagnóstico da endometriose, sendo que este tempo é tanto maior quanto mais cedo se iniciam as queixas. As adolescentes apresentam como principal sintoma cólicas menstruais Intensas, muitas vezes tratadas como dismenorreia primária, fazendo com que passem por pelo menos 4 diferentes médicos até se chegar ao diagnóstico.

O adequado conhecimento da endometriose se faz imprescindível para sua correta identificação. Procurar um médico capacitado o mais cedo possível permite um melhor acompanhamento e manejo da doença e, principalmente, dos seus sintomas, reduzindo então suas repercussões, minimizando seus efeitos e permitindo que as mulheres, desde a adolescência, tenham uma melhor qualidade de vida.

Dr. Mauricio Abrão
CRM 52842