21 set Cólica Menstrual: Até que ponto é normal?

Desde a primeira menstruação é comum as mulheres sofrerem com cólicas, umas mais intensamente que outras. Porém, muitas pessoas não sabem que isso pode ser um sinal de alerta. A Dra. Lídia Myung, CRM 119213, especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, médica colaboradora do setor de Endometriose do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP, esclarece dúvidas sobre as temidas cólicas, suas causas, tratamentos e formas de prevenção.

O que é a cólica?

A palavra cólica é utilizada pelas mulheres para caracterizar um tipo de dor em baixo ventre que elas podem sentir durante o período menstrual. Tem uma característica oscilatória, ou seja, a dor tem momentos de piora e melhora. É um tipo de dor que pode ter origem em outras vísceras, tais como cólica intestinal, da vesícula biliar, das vias urinárias, por exemplo.

Quais as principais causas da cólica?

A cólica relacionada ao período menstrual ocorre devido a liberação de fatores inflamatórios na região uterina, ao mesmo tempo em que ocorrem pequenas contrações da camada muscular do útero para estancar o sangramento, fenômeno chamado de mio tamponamento. Esse mecanismo é fisiológico, normal em todas as mulheres. O que varia é a sensibilidade de cada paciente a esse processo bem como o mecanismo que leva a sentir dor.

Estas causas podem levar a outros sintomas ou indicar problemas mais graves?

Sentir cólicas durante o período menstrual é um fato na maioria das vezes considerado normal. Quando elas têm uma característica incapacitante, ou seja, impedem a paciente de realizar as atividades habituais do dia a dia, como trabalhar e estudar, e principalmente apresentar caráter progressivo, com piora ao longo dos anos, pode sinalizar a existência de doenças ginecológicas como a endometriose. Porém, nem todas as mulheres com endometriose têm sintomas e nem todas as mulheres com sintomas têm endometriose. Outras afecções ginecológicas que podem levar a paciente a sentir mais cólicas que o habitual são os miomas uterinos e adenomiose.

Adolescentes reclamam muito de cólica. Até que ponto é normal?

Infelizmente não há como prevenir as doenças ginecológicas que levam ao aumento das cólicas tais como endometriose, miomas e a adenomiose. Mas é importante o diagnóstico precoce para seguimento e controle dos sintomas, bem como para indicar tratamento cirúrgico quando necessário. Dores que impeçam as atividades habituais devem ser reportadas ao médico ginecologista. A consulta regular, pelo menos anual, é importante para todas as mulheres, para prevenção de câncer de colo uterino com a coleta do papanicolau para mulheres que já iniciaram atividade sexual e detecção precoce do câncer de mama. É importante relatar a ocorrência de cólicas, direcionando assim a investigação e tratamento necessários para cada caso.

É conhecido o uso de anticoncepcionais para controle da cólica. É indicado?

Os anticoncepcionais controlam os sintomas de dor relacionados ao período menstrual. Quando a dor tem origem em alguma doença ginecológica, o uso de anticoncepcionais não tratam essas doenças, apenas reduzem a dor.

Quais são as melhores formas para amenizar o desconforto?

O melhor é procurar orientação do ginecologista para o uso adequado de cada medicamento e saber as contraindicações de cada uso. As alternativas mais usadas são os analgésicos, anti-inflamatórios e anticoncepcionais.

Existem cuidados com a alimentação ou atividades físicas que podem ajudar ou prevenir a cólica?

A manutenção de hábitos alimentares saudáveis e a prática de atividade física regular têm comprovação científica que reduzem as cólicas.