21 set Atividade física para envelhecer bem

Todos nós sentimos ou vamos sentir em algum momento o peso da idade. E ele vem acompanhado da sobrecarga nas articulações, do sistema cardiovascular e na percepção da dificuldade de fazer movimentos simples, que até bem pouco tempo atrás eram feitos com naturalidade. A fisioterapeuta Gabriela Olbrich, especialista em fisiologia do exercício e no envelhecimento, dá algumas orientações para quem está começando a envelhecer e quer manter a saúde por meio da atividade física adequada.
Quais são as alterações físicas que o envelhecimento trazer?
O envelhecimento pode trazer várias alterações físicas e psíquicas como osteopenia, osteoporose, perda de equilíbrio, depressão, aumento de peso, dificuldade para dormir e artrite.
O que se pode fazer para atenuar esses problemas?
Os problemas podem ser atenuados com a prática regular de exercícios físicos para a melhora das capacidades biomotoras, cardiorrespiratórias e psíquicas, em todas as idades e, em especial, nas mulheres que estão entrando na menopausa.
Com que intensidade se deve começar a praticar atividade física para garantir um envelhecimento saudável?
Pesquisas mostram que exercícios que utilizam movimentos contra alguma forma de resistência são seguros e eficazes. A intensidade e o tempo de treino vão depender do nível de aptidão física da paciente. Como não se pode reverter os danos já instalados, com a prática regular de exercícios físicos é possível ao menos aliviar os sintomas clínicos que afetam a qualidade de vida. A intensidade, duração e frequência certa dos exercícios são essenciais para que eles se convertam em melhoria de qualidade de vida e benefícios para a saúde.
Quais os benefícios das atividades físicas?
Há inúmeros benefícios para as mulheres a partir da prática de atividade física, que vão desde a prevenção de diabetes até alguns tipos de câncer. A associação de exercícios cardiorrespiratórios, resistidos e funcionais é a combinação ideal para uma boa qualidade de vida das mulheres na pós-menopausa.
É possível obter resultados mesmo começando a praticar mais tarde?
Estudos mostram que os benefícios da atividade física ocorrem mesmo em mulheres que se tornaram ativas depois de terem sido sedentárias por um longo período, ou mesmo durante toda a vida. Sempre é hora de começar, mas é preciso ter cuidado. Exercícios em excesso ou mal orientados podem ser prejudiciais e aumentar o risco de lesões.
Existem exercícios específicos para prevenir cada tipo de doença?
Nos casos de osteopenia e osteoporose, exercícios resistidos mostram que o treinamento de força aumenta a densidade óssea e reduz o risco de quedas e, consequentemente, de fraturas em mulheres com idade entre 50 e 70 anos. Exercícios funcionais como pilates trabalham a musculatura mais profunda, coordenação motora, força muscular, flexibilidade e são ideais para melhorar problemas com perda de equilíbrio. A associação de atividades em grupo, exercícios aeróbicos e treino de força podem ser interessantes para quem sofre de depressão, pois proporcionam o convívio com outras pessoas, ajudam na sensação de bem-estar e na melhora da autoestima. O bom gasto calórico e o aumento na taxa metabólica, resultantes dos treinos aeróbico e resistido, garantem um controle de peso a longo prazo, prevenindo a obesidade e os problemas associados. Tal como acontece com a depressão, os benefícios do sono obtidos como resultados da atividade física regular são comparáveis ao tratamento com medicação, mas sem os efeitos colaterais. Vários estudos apontam ainda uma melhora importante da dor provocada pela artrite depois da prática de exercícios resistidos.