Prevenção e Diagnóstico Precoce

O acesso à saúde está longe de ser universalizado como se promulga, mas é fato que está se tornando mais democrático. Nesta nova democracia, as mulheres não têm se contentado apenas com o acesso mas, sim, exigido qualidade em seu atendimento. O resultado de todo este cenário é a maior expectativa de vida do sexo feminino. O grande objetivo não é apenas quantitativamente prolongar os anos vividos, mas proporcionar maior qualidade para que este período adicionado seja desfrutado em sua plenitude.

O ginecologista tem um papel fundamental neste contexto. Ele age como o médico generalista da mulher, sem a pretensão de tratar doenças que fogem de seu escopo, mas com a obrigação de diagnosticar as mais frequentes e orientar a busca pelo seu tratamento. As ações devem ser reforçadas nas consultas de rotina. 

A obesidade se tornou um dos maiores desafios de saúde pública mundial.  O índice de massa corpórea (o peso dividido pela altura ao quadrado) deve ser calculado e seu controle enfatizado em cada consulta. Para tal, a combinação de orientação nutricional, redução da ingestão calórica e gordurosa com exercícios físicos intensivos apresenta comprovados benefícios sobre o controle de peso e a redução da circunferência abdominal.

A busca ativa para a identificação da depressão, em conjunto com condições integradas para seu tratamento quando diagnosticada, provaram-se positivos na seleção e nos resultados dos pacientes com tal agravo.  Esta deve ser uma preocupação constante da nossa parte.

A medida de pressão arterial deve ser realizada em toda consulta, mas pelo menos de forma anual, a partir dos 18 anos de idade.

Ainda no tocante à doença cardiovascular, tentamos identificar fatores de risco, fazendo exames de sangue de colesterol total e frações, assim como os triglicérides em mulheres acima de 20 anos.

A dosagem da glicemia em jejum com o intuito do diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2 é controversa para pacientes com pressão arterial normal, mas é totalmente indicada para aquelas com hipertensão arterial sistêmica.

A densitometria óssea deve ser solicitada para mulheres acima de 65 anos de idade, ou antes disso se elas apresentam fatores de risco aumentado para a osteoporose.

Quanto à busca pelo diagnóstico precoce do câncer de mama, apesar de haver um conflito das recomendações das agências de saúde públicas americanas e canadenses, nós realizamos a mamografia.  O início de sua realização dependerá de características individuais e familiares de cada paciente, sabendo ser consensual a sua realização a cada dois anos para mulheres com idades entre 50 a 74 anos.

O exame de citologia oncológica genital (conhecido como Papanicolau) deve ser realizado em mulheres sexualmente ativas e que apresentem colo uterino.  Deve ser realizado periodicamente pelo menos a cada três anos, e tem como objetivo a identificação de lesões sugestivas de alto risco para câncer de colo de útero. O seu resultado alterado torna imprescindível a realização de exame de colposcopia, com eventual biopsia dirigida.

Para identificação de cânceres colorretais, deve-se realizar pesquisa de sangue oculto nas fezes, sigmoidoscopia ou colonoscopia. Esta busca se inicia aos 50 anos de idade, estendendo-se até os 75 anos de vida.

Infelizmente, não se descobriu até o presente momento uma forma para o rastreamento de câncer de ovário, um dos mais agressivos do trato genital feminino, para diminuir as taxas de mortalidade. Apesar da realização periódica da ultrassonografia pélvica, ainda continuamos na busca de um melhor marcador.

No tocante às mulheres já na menopausa, realizamos a densitometria óssea para termos um exame de base comparativo, sendo que sua realização após os 65 anos de idade deve acontecer a cada dois anos.

Assim sendo, o ginecologista deve se portar como o médico generalista da sua paciente, principalmente na realização dos exames indicados para o rastreamento das mais diversas enfermidades e para a orientação sobre o tratamento daquelas que fogem de sua área de atuação.

 

Dr. Luiz Flávio Cordeiro Fernandes

CRM 112085

 


Outras colunas

- Pausa para nova fase

- Cólica Menstrual: Até que ponto é normal?

- Prós e contras do uso de anticoncepcionais

- Prevenção e Diagnóstico Precoce

- Dor Pélvica Crônica

- Influência da dieta na prevenção de cálculos renais

- Câncer de pele: o que é e como prevenir

- Os exames que toda gestante deve fazer

- Prática de exercícios deve ser mantida na gravidez

- Exames de ultrassom mais indicados para mulheres na menopausa

- Os benefícios da atividade física para uma terceira idade saudável

- Alimentação para uma pele saudável

- Estresse e Saúde

- Sexualidade na Terceira Idade

- Infertilidade e Endometriose

- Aspectos Emocionais da Endometriose

- Exames de Imagem

- Gestação e a Pele

- Ultrassom na Gestação

- Fisioterapia nas disfunções pélvicas

- Acupuntura e Dor

- Mapeamento Corporal

- Perigos da Má Alimentação

- Nutrição e Fertilidade

- Benefícios da Amamentação

- Vírus HPV

- O Equilíbrio através da Acupuntura



Home A Clínica Corpo Clínico Especialidades Serviços Dúvidas Como Chegar Contato


Copyright © 2006-2013
Clínica Medicina da Mulher
Todos os direitos reservados
As informações contidas neste site são fornecidas para fins educativos e não substituem as discussões estabelecidas entre médicos e pacientes. As decisões relacionadas ao tratamento de pacientes devem ser tomadas por profissionais autorizados. Rua São Sebastião, 550 - Chácara Santo Antônio
CEP 04708-001 - São Paulo - SP
Tel: (11) 5180-3344 Fax: (11) 5180-3351